terça-feira, setembro 18, 2007

Berlim pim pim

ora então, começemos o relato das viagens deste "Verão". Depois de trabalhar o Verão inteiro, Agosto incluído (algo inédito na minha curta vida), meti-me num belo avião cor de laranja e aterrei em Berlim! Eu sempre tive bué de curiosidade em visitar a Alemanha, o país em que parece que tudo funciona, a mais forte economia da União, etc.

E quando me meti nesta aventura do voluntariado era para a Alemanha que queria ir, para melhorar a língua... vim para a Estónia, mas não é por isso que deixei de ir a Berlim!
então, benvindos à reportagem fotográfica sobre Berlim

Uma das primeiras cenas que tratei de fazer foi procurar a

onde a Xana (ex ERASMUS em Tallinn) me disse que podia encontrar o belo do pastel de nata, acompanhado por um cafézinho Delta. E assim foi, mesmo no centro da cidade

depois, como qualquer bom turista, siga para essa parede, marco da história que se vê em Berlim em todos os guindastes e igrejas arruinadas

ora, eu quando cheguei ao aeroporto tinha esta bela comitiva à minha espera! A Doro (quase a cair), a Barbara (com ar de matadora) e a Laura (sentada no chão) foram voluntárias na Estónia. O moço a segurar a Doro é o namorado dela e o outro é o Robert, ex-ERASMUS aqui em Tallinn. Fiquei 3 dias em casa dele e 3 em casa da Laura! E viva a hospitalidade alemã, muito fixe!
Depois fomos ver o oposto do muro, o centro do modernismo, o Sony centre onde figura esta belissima girafa feita em LEGO
que me fez lembrar as minhas incursões infantis por esse mundo de construções. Claro que nunca consegui construir nadinha de jeito, se calhar é por isso que não sou arquitecta!
Enfim, esse Sony Centre, no coração da cidade, além de ser uma enorme centro comercial sem paredes, tem um tecto que eu curti

assim em forma de guarda chuva de aço e vidro!
Claro que a ida ao Sony Centre não foi um destino turistico. O destino era a nova galeria nacional, grátis às quintas feiras. Mas como de momento a galeria acolhe uma exibição de arte francesa que veio de Nova Iorque (onde estão as peças da galeria) a entrada já não era gratuita... e a malta voltou para trás! Fomos ao memorial aos Judeus mortos em toda a Europa, que estava fechado...

os não sei quantos blocos de cimento todos alinhados, com alturas diferentes não representam nada em especial. É suposto o visitante sentir (segundo os arquitectos) e não compreender! Claro que quando lá chegámos estava fechado... mas voltámos lá noutro dia e passámos umas horas a aprender a história dos judeus assassinados em todo o continente europeu. Aprendi que na Lituânia morreram quase tantas pessoas como na Alemanha e que Portugal não figura de nenhum mapa naquele memorial. O Memorial tem uma sala de nomes, uma de famílias e uma barra cronológica impressionante. Fiquei a saber um bocado mais duma história que parece ter passado ao lado da memória portuguesa! Tudo o que nos ensinam na escola é que Portugal foi um pais neutro na IIGM, que recebeu muitos judeus refugiados (pelas mãos de Aristides Sousa Mendes) e ouro Nazi. Ensinam-nos que Salazar era muito próximo dos outros líderes fascistas, mas que estava mais interessado em Franco do que em Hitler. Ensinam-no que no final da IIGM milhares de tugas emigraram para ajudar a reconstruir a Europa destruída... e é só! Ou isso ou eu tenho uma memória de merda! Acho que as jovens gerações de alemães que aprendem na escola o epicentro da história são mais tolerantes e conscientes do que eu.
E do memorial às portas de Bradenburgo é só virar uma esquina ou duas

e aí fica o registo dos berlinenses junto do marco da sua cidade.
Um novo dia, e começámos o passeio pela sinagoga velha

e pela nova e depois Tacheles, esse espaço artistico-degradado! É talvez um dos marcos mais característicos de Berlim: um grupo de artistas toma de assalto um prédio devoluto e torna-o em espaço de producação, exposição e venda de arte.
Claro que não se pode fotografar os artistas ou as peças, mas no vão das escadas esta miúda é fotogénica

e os cafés no rés do chão são aprazíveis... e deve dar grandes festarolas, parece-me

apesar de aqui não vos mostrar muitas fotos da torre da televisão, ela estava sempre lá, ao perto ao longe, só a bola, só a antena... um dia até perguntei à Laura "are you sure you only have one tower?? It is everywhere!" Mas saquei-lhe umas fotos bem catitas, de baixo, de frente, em reflexo, do reflexo do reflexo... enfim!
Houve um dia que fomos a Potsdam, uma cidade pequenina, com 150 mil habitantes, mesmo às portas de Berlim. É lá que estuda o Robert

exactamente aqui!! Em tempos, Potsdam foi a residência dos reis da Prússia. Tem não sei quantos lagos e jardins, castelos e cenas bem catitas! É um dos mais importantes centros universitários da Alemanha e a área com mais elementos Património Mundial da UNESCO em todo o país. Foi aqui que Stalin, Truman e Churchil se sentaram à mesma mesa, em 1945, para decidir como administrar a Alemanha que se tinha rendido dois meses antes, no final da guerra.

claro que toda a história tem uma parte engraçada... ou nem por isso!
de volta ao centro de Berlim, aí está a bela da igreja, ou melhor, o que resta dela!!

destruída graças a bombardeamentos aéreos durante a II GM, esta igreja foi deixada assim, não foi reconstruída e é hoje um memorial! Uma das cenas que em apercebi é que este edifício é dos poucos que não está em (re)construção. Pelo resto da cidade há guindastes e gruas em todas as esquinas. Fazem parte da paisagem da cidade as (re)construções de novos ou velhos edifícios. E parece tudo tão novo, tão bem tratado, tão pensado! A cidade funciona super bem, sem caos urbanístico ou complicações no trânsito, com um sistema de transportes públicos estupidamente eficaz e mais bicicletas que motas! É fixe andar na rua em Berlim!
Claro que nem tudo foi destruído e há alguns edifícios antigos que resistiram e ainda hoje hostentam os buracos das balas nas suas paredes. É o caso deste museu

na ilha dos museus, onde eu vi um autocarro português!! E vi uma feira de velharias onde, encontrei um exemplar muito antigo d'"A Relíquia", em alemão. Um belo presente para o Robert, aficcionado da leitura e senhor de um humor muito particular. Acho que as piadas do Eça lhe vão cair muito bem!

De novo a torre, e o céu mais ou menos azul de Berlim... por acaso as duas semanas e tal de férias foram marcadas pela chuva, às vezes pelo frio...


os famosos sinais de trânsito para transeuntes da antiga Alemanha Oriental. São super catitas!
E uma coisa gira que eu descobri, no sítio onde costumam andar as meninas lá do sítio, foi este belo café. É que nem de propósito!

só me questiono sobre o tipo de atributos das empregadas de mesa...
Houve um dia que fomos ao interior do Reichstag (http://en.wikipedia.org/wiki/Reichstag_building), esse grande edifício onde trabalha o parlamento alemão. O edifício foi parcialmente destruído por causa de um fogo em 1933 e até 56 ficou à mercê de todo o tipo de atentados... (Note-se que Hilter nunca lá sentou o cu!) foi reconstruído entre 61 e 64 e até 1990 foi apenas usado para reuniões esporádicas. Em Outubro de 90 a cerimónia oficial de reunificação da Alemanha foi levada a cabo neste edifício e em 91 decidiu-se que o governo e o Parlamento devia regressar a Berlim (de Bona) e trabalhar neste edifício. No ano seguinte Norman Foster (http://en.wikipedia.org/wiki/Norman_Foster%2C_Baron_Foster_of_Thames_Bank) ganhou o concurso de reconstrução do edifício. E eis que o inglês lhe adiciou esta cúpula

numa "tentativa" de recriar a cúpula original do século XIX e de onde se tem uma vista fantástica de Berlim. Os trabalhos de reconstrução terminaram em 99 e desde então é aqui que trabalha o parlamento alemão. Dentro da cúpula de vidro tem um escudo com um sistema de detecção e bloqueio da luz solar directa que pode cegar quem está em baixo da cúpula, já que esta ilumina a principal sala de trabalhos do parlamento...

mas nós não vimos a espiral de espelhos a funcionar, porque estava a chover, não havia lá grande sol...
Mas quando saímos já o tempo estava melhor. E o céu azul combina melhor com o vidro e o aço do que as nuvens

e em Berlim, o vidro e o aço estão na moda... Este é o edifício da principal estação de comboios da cidade, a maior (em dois pisos) da Europa. (http://en.wikipedia.org/wiki/Berlin_Hauptbahnhof) a segunda foto deste relato foi tirada dentro da estação, no andar de cima!
deixo-vos com uma das minhas fotos preferidas de Berlim

do Allied Check Point Charlie (http://en.wikipedia.org/wiki/Check_point_charlie), ponto de controlo dos aliados onde ainda hoje se mantém uma bandeira americana. Em frente da cabine onde se checkavam os passaportes tem esta fotografia de um soldado soviético e do outro lado figura um soldado americano. Ao lado está um painel que de um lado diz "You are leaving the american sector" e do outro "You are entering the amerian sector. Carryin weapons off dutty forbidden. Obey traffic rules"! Muito bom!! Na rua que vai dar aonde antes estava o muro, há agora um enorme mural com as histórias da II Guerra Mundial e da Guerra Fria, com imensas fotos daquele mesmo sítio, apenas com personagens muito diferentes!

and last, but not the least, o símbolo de Berlim: esses belos ursos!!
Eu adorei Berlim, e nada do que possa escrever ou mostrar aqui será suficiente! Não me guiei por nenhum critério em espefício para a escolha destas fotos. Tenho algumas bem mais exemplificativas das coisas brutais que vi em Berlim, e no entanto, não em sinto impelida a publicá-las. Vi ainda uma exposição de diferentes tipos de relva de uma alucinada americana e uma fantástica exposição sobre Anne Frank. Esta última tocou-me particularmente pela conexão feita aos dizeres de adolescentes, judeus, filhos de imigrantes ou naturais de Berlim, da actualidade. A exposição feita mais por vídeos, fotos e elementos audio requer mais do visitante uma postura alerta do que uma atitude passiva do observador de um museu. Vi mais um milhar de coisas e bares e restaurantes baratos que não merecem qualquer tipo de registo a não ser na minha cabeça! Mas, o que eu mais gostei em Berlim foi de sentir que estava de volta a uma cidade NORMAL, onde eu não sou mais escura do que 90 % da população e onde as barbies andam de mãos dadas com os punks, onde há freaks com cães, como eu já não via há muito!! Gostei da rapidez com que tudo se faz e se come e se compra e se ve e se anda. Gostei das lojas de design e dos sapatos da malta na rua. Gostei do sistema de transportes e das pessoas a sorrirem na rua, gratuitamente. Gostei de não ser capaz e reconhecer estrangeiros e de ouvir falar N línguas, poder escolher que tipo de comida quero para o jantar... puff CURTI BUÉ BERLIM!!

2 comentários:

Waldorf, The Missing Reindeer disse...

Berlim e um espectaculo! Acho que e a capital europeia ideal para se viver. Estive por la em Maio e podes ver as fotos aqui: http://www.flickr.com/photos/ncurado/sets/72157600468765899/

Lucilia disse...

Isso é que foi uma festarola!!! Sim senhor, gostei de ver que a menina soube aproveitar e curtir cada segundo nesta louca viagem :)